quarta-feira, 28 de abril de 2010

A demagogia e suas consquências trágicas - por Alamar Régis Carvalho

de Alamar Régis Carvalho
responder a Alamar Régis Carvalho
para lcarlosnogueira@gmail.com
data 27 de abril de 2010 22:41
assunto A demagogia e suas consequências trágicas
enviado por alamar1.disparadordeemails.com
Imagens recebidas deste remetente são sempre exibidas Não exibir de agora em diante.
ocultar detalhes 22:41 (10 horas atrás)

De: Alamar Régis Carvalho

Para: Luiz Carlos Nogueira

Assunto: A demagogia e suas conseqüências trágicas

Luiz Carlos: A onda de demagogia política precisa ser combatida por todos nós, em nosso país. As pessoas menos esclarecidas precisam ser informadas, com a melhor didática possível, do que os políticos querem, com elas, com os seus discursos demagogos e suas promessas.

Comunicado Inicial Eu nunca mando e-mail para ninguém, pedindo para abrir fotos, mandando torpedos, cartões, telegramas, etc. Caso você receba algo assim, com meu nome ou com a extensão ...@redevisao.net, não abra. Cuidado. Também nunca mando e-mails, tipo SPAM, para pessoas que não os querem receber. Se, por acaso, o seu e-mail está em minha lista, sem o seu desejo, é porque algum amigo seu me pediu para inserir, sem lhe consultar. Peça para retirar, que eu retirarei, imediatamente.

Mais uma vez o alerta

Banco do Brasil se apodera de dinheiro do PASEP

Dentro da onda de abusos e absurdos praticados no Brasil, sem que a população perceba a que nível ele chega, quero dar um alerta, mais uma vez, às pessoas que tem parentes ou familiares que são Funcionários Público Federal, militares das Forças Armadas e pessoas que trabalham ou trabalharam contribuindo para o PASEP durante vários anos, dinheiro esse que sempre foi depositado no Banco do Brasil.

Esse dinheiro pertence ao contribuinte e deve ser retirado, por ele, quando se aposenta ou pelos seus herdeiros, quando ele morre.

Acontece que o herdeiro vai a uma agência do Banco do Brasil, portando o cartão do PASEP do contribuinte, que fora seu pai, por exemplo, conforme esse modelo aí ao lado, um funcionário vai a um computador, para fazer a pesquisa, e simplesmente diz que não tem nada lá, que aquele PASEP foi expurgado. Não lhe dá nenhum documento, escrito, que informe isto, não assina nada e o herdeiro que se dane, porque fica tudo por isto mesmo.

Foi o que aconteceu em relação ao PASEP do contribuinte desse cartão, da ilustração, que trabalhou mais de 30 anos, para o Ministério da Saúde.

Isto quer dizer o seguinte: O banco simplesmente se apodera desse dinheiro, não se sabe se por alguma estratégia de alguma iniciativa política sem vergonha, entre as incontáveis malandragens que são feitas no país, mas o fato é que o dinheiro, se saiu da conta que pertenceria ao herdeiro, foi para o bolso de alguém.

Portanto, sugiro a você, militar da reserva ou qualquer funcionário público aposentado, que vá o mais rápido a uma agência do Banco do Brasil, verifique se o seu PASEP ainda está depositado lá, peça que imprima os documentos, exija assinatura e carimbo da agência e dê aos seus familiares para que guardem. Alguns ainda estão lá, como o meu, por exemplo, do tempo que pertenci a Aeronáutica, mas muitos outros estão sendo desviados. O meu eu já exigi que imprimissem, documentassem e tenho guardado em casa.

A demagogia e suas conseqüências trágicas

Eu não quero ser um escritor para escrever coisas com objetivos de tentar fazer com que as pessoas pensem exatamente igual a mim. Sentir-me-ia presunçoso, estúpido e até ridículo, posto que ninguém tem o direito de violar a consciência dos outros. Acho terrível quando políticos de esquerda, de direita ou seja de que lado for fazem seus discursos querendo fazer as pessoas se convencerem de que as suas ideologias partidárias são verdadeiras, perfeitas e maravilhosas, quando todo mundo sabe que os seus comportamentos, na prática, nada tem a ver com as teorias pregadas. O mesmo ocorre com discursos religiosos, invariavelmente carregados de hipocrisias, utilizando-se inclusive do nome de Jesus, porém carregando conteúdos absolutamente contraditórios a essência do que ele propôs.

Não... nada de estar aqui colocando “verdades” para que os outros as absorvam como trilhas a serem seguidas; o que quero é apenas utilizar-me de algo que aprendi, por força de profissão, que é a lógica, para que o leitor raciocine e tire as conclusões com sua própria cabeça e não com a do escritor, a fim de que a sua convicção sobre o assunto seja a mais sólida possível.

Eu sei que raciocinar não é coisa pra qualquer um, aplicar lógica em todas as procuras por conclusões e decisões não é algo que se pode esperar da maioria, razão pela qual os segmentos dominantes, principalmente os políticos, também os religiosos, fazem o que querem, seguros de que lidar com ignorantes e atrofiados mentais é um bom negócio.

Vamos colocar a coisa aqui, matematicamente, já que a demonstração numérica não tem como ser contestada:

Dividamos o povo brasileiro em três classes, apenas: Alta, Média e Baixa. Vou distribuir essas classes em percentuais, sem preocupação de números exatos, porque, para o entendimento da linha de raciocínio, não há necessidade de exatidão.

Classe Alta 10% da população.
Classe Média 30% da população.
Classe Baixa 60% da população.

Números apenas didáticos, embora próximos da realidade

Não quero que entendam esse “baixa” aí como termo pejorativo, de forma alguma, apenas entendam que o baixa significa baixa escolaridade, baixa renda, baixo nível cultural, baixo interesse pela informação, etc...

Pois bem:

O que é que elege políticos?

É a quantidade, não é verdade?

Não existe média ponderada. O voto de um analfabeto tem exatamente o mesmo peso de uma pessoa possuidora de doutorado ou um cidadão que tem capacidade de analisar o caráter do político, em condições de avaliar se ele é verdadeiro ou enganador.

Daí se conclui que o que importa é apenas e somente a quantidade, sem a menor preocupação com qualidade.

Qual a conclusão, então?

Investir no segmento que representa a maior quantidade. Que segmento seria esse? O segmento da chamada classe baixa.

Mas... que investimento seria esse? Investir honestamente naquilo que ele realmente precisa, na formação de uma base sólida para que ele tenha estrutura para o seu crescimento e da sua família, sem precisar de muleta nenhuma e nem estar se escorando em ninguém?

Não, nada disto. Honestidade não é relevante, em política. Formar base sólida requer proposta de educação, de conscientização e de reforma íntima a longo prazo, e classe baixa, em sua maioria, por sua própria condição de baixa, não consegue ter visão profunda a fim de enxergar futuro nenhum, já que quer é o hoje e o agora.

Vamos fazer o quê? Forçar a barra e usar de energia para ele entender que o importante é pensar em base sólida e em futuro?

Que nada. Se alguém insistir nisto, para essa figura chamada “povo”, ele terminará ficando com raiva, já que quer é o benefício agora, já.

Então o político, que não é besta e quer o seu voto também agora, utiliza-se de opções para lhe dar o benefício que ele quer, agora. Dane-se a estrutura da sua família, dane-se o futuro.

É algo como aquela idéia equivocada da prática da Caridade, quando muitas pessoas entendem que fazer a caridade resume-se em dar sopa para pobres. Qualquer pessoa que raciocina sabe muito bem que aquela sopa fará efeito apenas por umas seis, oito ou dez horas, no máximo, já que, depois desse tempo, a pessoa estará com fome, novamente.

Caridade é uma coisa que não deve, nunca, ser confundida com esmola.

Só que o povo não tem discernimento para entender isto.

É exatamente em cima dessa falta de discernimento popular que os políticos se pegam.

- “Eu boto um asfaltozinho ou um calçamentozinho vagabundo na rua dele, que dura apenas um ano, que é o tempo que tenho para ele convencer a todos os moradores que eu sou o salvador do bairro, pego os votos e me elejo. Depois, quando o serviço mal feito se deteriorar e os buracos começarem a aparecer, aí eu já to eleito mesmo, já fiz todos os meus conchavos e tirei minhas vantagens, dane-se o idiota. Se vierem me cobrar, eu enrolo, boto assessores para atender, para dar desculpas e, já que é classe baixa, engole tudo e até vota em mim de novo”.

É assim que funciona a política.

Então você entende porque os políticos fazem tanta questão de dizer que estão ao lado do povo e adora dar esmolas para o povo, nesse segmento chamado classe baixa. Afinal, ele representaria, conforme o meu exemplo, 60%.

Mas, e a classe alta?

Embora seja a minoria, ela também tem que merecer atenção especial dos políticos, porque é através dela que o safado consegue o dinheiro, chamado “fundo de campanha”, para fazer toda a demagoga divulgação, para se eleger ou reeleger.

Mas toda classe alta está inserida nisto?

Não, apenas o segmento que se tornou rico, à custa da corrupção, das jogadas, das safadezas e das imoralidades da convivência com os políticos e seus partidos.

São aqueles pilantras que querem continuar sendo fornecedores de alguns órgãos governamentais, sendo isentados de impostos e tributações, recebem recursos do BNDES, facilidades nas liberações de FINAMES e outros recursos, chamados “filés”, por parte dos bancos, e por aí vai.

É por isto que as operadoras de telefonia fazem o que querem, os bancos fazem o que querem e todos os poderosos, economicamente, fazem o que querem.

Os “favores” prestados aos pobres

Assistimos a recente tragédia ocorrida em Niterói, que vitimou centenas de pessoas.

De quem foi a responsabilidade?

De políticos inescrupulosos que, sob a argumentação demagoga de que todo mundo tem direito de morar onde quiser, vai liberando, liberando e liberando, sem qualquer escrúpulo.

Engenheiros e Geólogos alertaram, avisaram e até insistiram que a instalação de moradias naquele local não dava segurança a ninguém e, mais cedo ou mais tarde, conseqüências danosas aconteceriam.

Não deu outra coisa.

Mas o que se passava na cabeça do desgraçado do político?

- “Eu quero que esse povo se exploda. Quando a tragédia vitimar a sua família, eu já me elegi, já fiz o meu pé de meia com a política, já acumulei patrimônios e já garanti o futuro da minha família. Dane-se o povo”.

Não há punição para esses canalhas, porque sempre tem um advogado, um juiz ou um desembargador para livrar as suas caras; então eles continuam a fazer as mesmas coisas.

Leonel Brizola, na sua demagogia exacerbada, foi o grande responsável, ou irresponsável, pela proliferação das favelas em tudo quanto é canto do Rio de Janeiro, fazendo da cidade maravilhosa aquilo que é hoje, deixando-a numa situação irreversível. Por pouco um dos cartões postais do Rio, o aterro do Flamengo, não está hoje ocupado por favela.

Um desses demagogos, sem vergonha, fez algo semelhante, em Brasília, permitindo que fizessem uma favela numa das áreas mais nobres da capital federal, exatamente no trajeto entre o palácio do planalto e o palácio da alvorada, proporcionando uma das cenas mais horrorosas que eu já vi, uma fedentina desgraçada, num cenário triste. Ainda bem que governantes, que vieram depois, conseguiram retirar aquela palhaçada dali, antes que construíssem grandes alvenarias.

Mas... e a classe média, Alamar, como fica nisso?

Essa é a maior vítima de tudo isto.

É ela, você e eu, que é apertada pelos fiscais, pela indústria das multas e das extorsões, pelas taxas disto e taxas daquilo, pelos roubos dos DETRANS (Departamento de Extorsão no Trânsito), para pagar os altos impostos dos combustíveis mais caros do mundo, da TV por assinatura mais cara do mundo, pela internet mais cara do mundo, pela telefonia mais cara do mundo, a maior carga tributária do mundo e ter que ficar calada em relação a todo esse festival e demagogia que está havendo aí.

Estão divulgando que o Brasil está numa situação maravilhosa, do ponto de vista econômico. Maravilha econômica, onde? Pergunto: Você, que está me lendo, está mesmo desfrutando de alguma maravilha econômica?

Talvez sejam somente você e eu que não estamos achando tudo maravilhoso. Tudo bem, então faça um teste, para não tirar conclusão nenhuma por este artigo:

Entreviste os seus parentes, vizinhos, amigos, colegas de trabalho e pergunte se eles estão mesmo vivenciando alguma maravilha econômica.

Caso todos digam que sim, pode me mandar um e-mail dizendo que eu estou totalmente equivocado, neste conceito, e fora da realidade.

Para as pessoas que estão recebendo, do governo, bolsa família, salário reclusão, camisinha, etc... procure despertá-las para a realidade e pergunte-as:

“Sinceramente, você está vendo, de fato, alguma melhora no sistema de saúde pública da sua cidade? Está vendo alguma melhora real nos colégios que os seus filhos estudam? Os professores estão sendo, de fato, melhores remunerados, para poderem proporcionar educação de nível melhor? As carteiras dos colégios estão melhores que as de antigamente? As salas estão mais iluminadas? O nível do ensino melhorou ou piorou em relação a épocas passadas?

Diante do que você me responder, tire a conclusão: Você vê, de fato, algum futuro promissor para o seu filho?

Se na sua casa tiver algum aposentado ou pensionista, pergunte se ele está feliz com a forma como os governantes o estão tratando, com respeito às suas pensões ou aposentadorias.

Quando você precisa de um serviço público de saúde, que tipo de atendimento você tem?”

Eu não estou fazendo nenhum discurso contra PT, PSDB nem contra “P” nenhum, estou tentando, apenas, pedir que as pessoas reflitam em relação a todos eles, porque são todos farinha do mesmo saco.

A demagogia desastrosa que falo, no artigo, não se verifica apenas no âmbito federal, sob o governo do PT não, ela está também nos estados e municípios governados pelo PMDB, PTB, PSDB... e todos os partidos que, sabendo ter dado certo o sistema da estratégia da esmola para pobre, estão aplicando como a melhor estratégia.

O horário político obrigatório está aí para todo mundo ver, na televisão, onde, quem não é cego e nem surdo, pode verificar o festival de demagogias e palhaçadas prometidas e muita gente acredita.

Será que o Brasil vai cometer a mesma burrice de reeleger os mesmos pilantras?

O que fazem com os aposentados e pensionistas, por quase uma década, é um crime, porque é um roubo cruel e vergonhoso. Quem passou mais de trinta anos trabalhando e recolhendo para a previdência social, acreditando que, por ser instituição federal, necessariamente seria instituição séria e segura, hoje vive uma decepção que nunca imaginou que acontecesse, ao ver os seus ganhos reduzidos a cada ano. Quem contribuiu durante anos para ter uma aposentadoria na faixa de 8 salários mínimos, por exemplo, hoje ganha menos de 2 e, com o andar da carruagem, ganhará menos ainda nos próximos anos.

Mas, porque fazem isto com os aposentados?

Por que eles são idosos, são minoria, muitos não votam mais, pela idade avançada, outros não comparecerão às urnas porque estão doentes ou com dificuldades de locomoção e muitos morrerão até as eleições, por conta da idade... enfim, a estratégia é massacrá-los.

Será que não é hora de você, que não é idoso ainda, começar a se preocupar com o que estes canalhas da política vão fazer contigo, também, quando a sua idade avançar mais?

Temos que mudar o país, este ano

Não podemos deixar que a interminável corrupção, a impunidade dos políticos ladrões e a safadeza generalizada da política continuem. TEMOS QUE DAR UM BASTA. Pelo amor de Deus e por amor à Pátria, dispamo-nos das rotulações partidárias e sejamos mais seletos em relação AOS HOMENS, independente de partidos. Ter um partido, como se fosse Flamengo, Vasco, Corinthians, Palmeiras, Cruzeiro, Atlético, Grêmio, Inter... etc... é burrice, é coisa de gente irracional. Se os partidos fossem fiéis aos seus manuais de intenções, tudo seria uma maravilha, mas não são. Todos eles são envolvidos com as mais sórdidas safadezas, conveniências e querem sempre estar ao lado do "quem dá mais". Será que você não está vendo as negociatas sem vergonha, que cada um está fazendo, para decidir a quem vai apoiar na próxima eleição para presidente?

Selecionemos HOMENS E MULHERES DECENTES, para a eleição e até a reeleição já que, por incrível que pareça, tem também gente séria e digna no poluído universo político. É fácil, demais, a gente checar isto; basta que investiguemos a vida de cada um, sem fanatismo partidário, verificando as origens dos patrimônios acumulados.

Votar em candidato porque torce para o time que eu gosto, porque é adepto do rótulo religioso que eu participo, porque já é político tradicional da minha região, porque é preto ou branco, porque isto e porque aquilo... é burriceeeeeee! Se apresentar, no Rio, como Flamenguista e em São Paulo, como Corinthiano é uma estratégia sem vergonha muito manjada, que muitos espertalhões utilizam, porém, no fundo, sem a menor afinidade com nenhuma dessas bandeiras, já que a sua única bandeira é o seu bolso. Usar o nome de Jesus e sair fazendo citações bíblicas, para impressionar evangélicos, é outra estratégia manjada.

Cuidado com o horário político da televisão, porque ali não existe verdade nenhuma, só existem máscaras e maquiagens, produzidas pelas agências de publicidades, que fazem de tudo para fazer canalhas aparecerem como bonzinhos, corruptos filmados em morros e favelas abraçados com pobres, para dar impressão a você de que eles têm alguma atividade habitual naquele local.

Votar num preto, só pela alegação de que temos que ter um presidente negro, é burrice, se o negro não for de fato competente e capaz de conduzir a Nação.

Votar numa mulher, só pela alegação de que temos que experimentar uma mulher na presidência, é também burrice, se essa mulher não for de fato competente e ter condições para governar.

O mesmo é o argumento de ter que botar um evangélico, porque temos que ter um presidente evangélico; um homossexual, porque um segmento acha que tem que ter um presidente homossexual; um militar, só porque precisamos ter outro militar; um ex-terrorista, só porque temos que botar um que foi oposição a regimes antigos e todas essas argumentações, é burrice da grossa.

Para brasileiros que raciocinam, tem juízo, respeito pelo futuro da sua família e pela dignidade do seu país, só os fatores abaixo são relevantes para eleger um futuro presidente para o país:

  • Não ter rabo preso com ninguém.

  • Comprovadamente não ter qualquer acúmulo de patrimônio, adquirido a custa de corrupção.

  • Não ter qualquer passado manchado por sangue, roubo, estelionato, assassinato e nenhum tipo de crime.

  • Ética, valores humanos e espirituais elevados, dignidade irreparável e histórico de vida com serviços prestados, de fato, em benefício do público.

  • Autoridade, habilidade e competência comprovada, para dirigir os destinos da Nação.

Que as inteligências dos que lêem este e-mail, tirem as suas conclusões.

Por um Brasil mais decente.

Alamar Régis Carvalho

Analista de Sistemas, Escritor, ator, profissional de televisão.

Criador da idéia do Partido Vergonha na Cara - www.partidovergonhanacara.com
alamar@redevisao.net

www.alamar.biz - www.redevisao.net - www.site707.com

quarta-feira, 21 de abril de 2010

O BRASIL E SEU POVO, QUE SE DANE!!!

Encontrei este comentário no blog do Gabeira, que achei oportuno divulgar:

“Prezada Vereadora Andrea.

Agradeço sua resposta.

Isto é que é lindo na democracia. A liberdade do contraditório.

Desculpe-me, também discordar.

O Deputado Gabeira não lutou contra o Regime Militar, por aspirar pelo restabelecimento pleno da democracia em nosso país.

Chamam ainda, alguns não estudiosos, que os militares fizeram a Revolução de 1964. Não. Eles não fizeram a Revolução de 1964. Eles fizeram a Contra-Revolução de 1964. Esta é a correta identificação histórica.

A esquerda radical, estava preparando a Revolução Sindicalista - Comunista, violenta, que fracassou no mundo inteiro, para chegar ao Poder, inspirado e apoiados em Fidel Castro, trazendo o caos ao país, por intermédio de sucessivas greves sem razão de ser, onde paralisavam as principais atividades em âmbito nacional, emperrando toda a máquina administrativa do Estado.

Fomentaram a quebra da hierarquia nas Forças Armadas. Insuflavam soldados, cabos e sargentos, contra os oficiais. Passaram estes a descumprir ordens. Isto é muito grave para os profissionais militares.

Não podem admitir tais procedimentos, pois são eles os depositários dos armamentos da Defesa do Estado, e para a Defesa do Povo Brasileiro, se a necessidade assim exigir, em caso de invasão, ou de ameaça à soberania, a ordem pública. Isto a mídia não propala. Isto é missão Constitucional.

Diante a grande bagunça nacional, por eles preparada, e por eles insuflada, armando-se, clandestinamente e treinando guerra de guerrilha em solo brasileiro, assaltos aos bancos, vandalismos, invasão de residências, ataques ao quartéis, assaltos aos supermercados, desabastecimento de gêneros alimentícios, ( GREVE DO ARROZ), corrupção escancarada, etc…….

O povo foi as ruas pedindo, que as Forças Armadas interviessem.( no aterro reuniram-se 1.000.000 de pessoas com a “Marcha Pela Família, com Deus, pela Liberdade”). Só assim, deixaram os quartéis, atendendo a vontade popular, com o restabelecimento da ordem pública, bem como, para impedir a Revolução Sindicalista- Comunista, inspirada em Mao, ditador chinês.e ideólogo do PC.

Isto não é história de militar. É a pura verdade. A mídia não registra, propositadamente, estes fatos,

São esquerdistas de roupas importadas, gostam muito de bebidas também importadas, moram hoje em residências luxuosas, adoram o poder pelo poder, discriminam os não apartidários, aqueles que confrontam com suas idéias. Falam muito em democracia, mas adoram o totalitarismo.

Servi, nesta época como Oficial R2 cumprindo estágio, e “dormíamos” com o Revolver 45, ao lado, temerosos em sermos vítimas do que realizaram em 1935, assassinando oficiais no silêncio da madrugada. na primeira tentativa de chegarem ao poder.

Escutávamos no radio de pilha, os brados ” Sargentos !!! Rebelem-se!!!, Matem os oficias!!!. Tomem os quartéis !!! ” , ao fundo ouvia-se a canção, Venham, vamos embora…….

A postura do Fernando Gabeira, reconheço, jamais foi apurado qualquer falcatrua sua. Acredito, que não as tenha praticado.

Se você olhar ao seu redor, aqueles, que foram para o exílio com ele, é uma lástima.

Ir a Câmara de sandália confeccionada de folha de maconha. É um péssimo exemplo.

Fazer apologia da droga. É um péssimo exemplo.

Combater a corrupção, como fez com o Severino. É um ótimo exemplo.

Somando os prós e os contras. Não voto no Gabeira.

Vereadora Andrea. Somente, três vantagens os idosos possuem.

1ª - Ser obrigado pelo Estado a morrer em “trabalho escravo” quando são aposentados pelo INSS, embora tenham pago para se aposentarem sobre 20 SM e 10 SM, só recebem na maioria o máximo de R$ 1.300,00.

Retire destas vantagens os funcionários públicos, os Srs Vereadores, Deputados e Senadores, com mais de um mandato;

2 ª — Não pagar Metrô e ônibus - quando param -

3ª - Por último, ser testemunha da história, dos comportamentos dos políticos, do passado e do presente, ainda trabalhando 10 horas por dia, com 69 anos de idade. MARAVILHA !!! de trabalho forçado. somos obrigados a ficar vivos, para que nossas velhas esposas não passem fome.

Quero lhe indicar uns livros, já que leu o do Fernando Gabeira, compre na Biblioteca do Exército a “HISTORIA ORAL DO EXÉRCITO - 1964 .

Após ler seus 15 volumes, irá se deparar com atos, que jamais ouviu falar, mas são depoimentos de quem arriscou suas vidas para barrar a Revolução Sindicalista Comunista (usando as palavras do Presidente) jamais vista neste País.

Depois me escreva. ou marque uma conversa pessoal, se assim desejar.

Aproveite. Ainda sou testemunha viva da História Nacional.

Com meus respeitos

Américo Chaves.”

Clique neste link para conferir: http://gabeira.com/gabeira43/?p=701


Agora meu comentário (Luiz Carlos Nogueira), fazendo um adendo na parte em que o Sr. Américo Chaves diz:

“São esquerdistas de roupas importadas, gostam muito de bebidas também importadas, moram hoje em residências luxuosas, adoram o poder pelo poder, discriminam os não apartidários, aqueles que confrontam com suas idéias. Falam muito em democracia, mas adoram o totalitarismo.”

Eis o adendo: Muitos são da turma dos “mensaleiros”, do dinheiro na cueca, da máfia das ambulâncias, da farra das passagens aéreas, enfim que sempre estiverem envolvidos em alguma falcatrua ou roubalheira. Para isso tem dinheiro de sobra nos cofres públicos, mas para restabelecer o direito dos aposentados e pensionistas do INSS — não.


As questões de ordem pública são ignoradas por completo por esse tipo de gente. Vergonha e honradez não fazem parte do seu DNA.E querem saber mais? Duvido muito se algum deles será condenado por decorrência das ações propostas contra eles.


Vejam este vídeo. Será que o PT mandou o Presidente Lulla desmentir tudo o que ele havia declarado?

video



Retomo ao registro da troca de e-mails entre a vereadora Andréa e o Sr. Américo Chaves:

“Prezado Américo,

Felizmente estamos na Democracia e todos podemos manifestar nossos pontos de vista.

Ações são cometidas e se paga por elas, de uma forma ou de outra. A partir daí, a história evolui e as pessoas inteligentes, sérias, fazem a avaliação dos acontecimentos e aprendem com eles.

O Fernando Gabeira no seu livro O que É isso Companheiro fez toda uma revisão de suas atitudes, deixando muito claro que foi um crime abominável o seqüestro de uma pessoa. Ao longo dos últimos anos tem dito isso sempre que a questão é levantada. Ele não se orgulha do ato criminoso, embora não se arrependa de ter lutado contra o regime militar. Mas admite que usou a arma errada.

Por outro lado, o Gabeira tem um comportamento político irretocável. Nunca esteve envolvido em escândalo algum, seu compromisso com a causa pública é evidente. A gente pode discordar de algumas posições dele sobre a forma de tratar a questão das drogas – que eu discordo – mas creio que ele será melhor para o futuro do Rio, tem mais coerência e reflexão que o Paes.

Foi muito bom ter recebido sua resposta porque a gente tem que saber mesmo que as pessoas pensam diferente e que têm a liberdade de retrucar com seus pontos de vista.

Abraços

Andrea”

Vereadora Andrea:

RECEBI SEU E-mail DEFENDENDO A CANDIDATURA DO DEPUTADO FERNANDO GABEIRA.

NÃO PEDI SEU ENVIO FOI-ME MANDADO ESPONTANEAMENTE, ONDE DEU SUA OPINIÃO “PORQUE VOTO EM GABEIRA”. DIANTE AO FATO, ME DÁ OPORTUNIDADE DE DIZER-LHE, PORQUE NÃO VOTO NO FERNANDO GABEIRA.

Em resposta ao seu e-mail, na qualidade de democrata, afirmo o contrário:

PORQUE NÃO VOTO NO GABEIRA

1 - Não voto em seqüestrador, ou participante de equipes para este fim;

2 - Não voto em quem, em algum dia da sua vida, ou por ser jovem, ou por ideal político de extrema esquerda, ou de direita radical, ou torturadores de ambas as facções, tenha participado de movimentos de guerrilha, em favor de regimes totalitários.

3 - Não voto em apologista da liberação da MACONHA.

Possuo um trauma de infância. Vou lhe confessar.

Meu pai foi perseguido político de uma Ditadura. Foi preso, espancado, ficamos com o seu salário bloqueado, pois era funcionário da Prefeitura do Município do Rio de Janeiro, e trabalhava diretamente com o então Prefeito Dr. Pedro Ernesto.

Passamos fome. Quando conseguíamos alguns trocados, minha mãe fazendo serviços de limpeza, o que nunca tinha feito na vida. (comíamos feijão e arroz e ovo).

Lavei carros com poucos anos de idade, varria calçadas da vila em que morava no subúrbio, na Estação do Riachuelo, Rua Vitor Meireles, para ter alguns ganhos. Meu pai sempre foi e continua sendo o meu herói. Jamais declinou de sua postura política.

Vi minha mãe molhar seu velho calçado para que ficasse preso ao seu pé, pois o couro encolhia, e ela só tinha um par para sair de casa.

4 - Esta ditadura, não era a chamada ditadura dos militares, atacada pelo seu apoiado.

Esta ditadura era de Getúlio Vargas, onde o seu Chefe de Polícia chamava-se Filinto Miller. Sendo ele que esbofeteou meu pai para que confessasse o que jamais fez.

Hoje Getulio Vargas possui nome de ruas em todo Brasil, bustos, recebe homenagens, ninguém mais fala na sua Polícia Especial, truculentos homens de boné vermelho. Só atacam o Exército Brasileiro, e as Forças Armadas, a quem devem tanto, pelo que fizeram pelo Brasil.

Outros dizem: Isto é obrigação, mas não dizem, e nem cobram os privilégios de seus pares na política, onde ganham fortunas, e ainda mantêm apaniguados introduzidos em seus gabinetes.

Qual o custo ao Estado com seus Senadores, Deputados, Vereadores?

Muitos só trabalham quatro dias na semana, e ainda usufruem de mordomias, votando nas madrugadas, nos dias antes de feriados prolongados, as matérias que lhes interessam pessoalmente.

ISTO É UMA VERGONHA!!!

5 - Nesta reta final, quero também lhe declarar, porque não voto em seqüestrador.

Se vou votar NULO, ou EM BRANCO, ou em seu opositor, Eduardo Paes, isto decidirei no momento oportuno, após muita reflexão.

Asseguro-lhe:

NÃO VOTO EM SEQÜESTRADOR. RADICAL DE ESQUERDA, PORQUE ENTENDO QUE SEQÜESTRADO, É TAMBÉM TORTURADOR. O PIOR É QUE SE UFANAM DESTE COMPORTAMENTO, VENDENDO ILUSÕES.

Lamento discordar de sua posição política, acreditando por conhecê-la, está seguindo a cartilha de seu partido.

Vereadora Andréa. Entendo, que as pessoas devem possuir total independência, independente de partido ou não.

Quando algo lhes incomoda, devem seguir a postura da Juíza Denise Frossard, mantendo-se silente, afastada deste conjuntural político podre do Poder pelo Poder.

Não importa o preço. O importante é o confronto de idéias, a independência dos representantes do povo. POLÍTICA MAIOR É A QUE DEVE SER PRATICADA.

Ai sim, mudaremos os chamados Partidos Políticos, pois nada mais são que aglomerados de pessoas, buscando conchavos, corrupção, e interesses menores, pessoais, e ou grupais.

O BRASIL E SEU POVO, QUE SE DANE!!!

INDEPENDÊNCIA POLÍTICA. Isto sim, é salutar para a Democracia, e para o Brasil, o RESTO É O RESTO.

Américo Chaves."

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Pimenta no olho do outro é colírio? Afinal, o que significa anistia ampla, geral e irrestrita?

Luiz Carlos Nogueira



nogueirablog@gmail.com






Tem gente que acha que pimenta só arde nos próprios olhos, mas nos olhos dos outros é colírio.




Esta matéria foi motivada por um e-mail que recebi de uma pessoa que evidentemente não vou divulgar o nome, tendo em vista que tudo se deu de forma não pública.



Pois bem, reproduzi num blog, discurso de um deputado federal, para que as pessoas fossem levadas a refletir livremente. Na postagem não fiz qualquer comentário, justamente para que cada um se conduzisse orientado por sua própria luz.



Ocorre que essa pessoa tomou as dores como se fora eu o discursante e não o deputado. Por tal motivo, enviou-me um artigo no qual um determinado autor dizia para que se respeitar quem se colocou contra a ditadura militar de 1964.



Ora, cada qual deve ter consciência das suas ações. Se na época da ditadura sofreu represálias, não foi porque estava rezando. Por consequência, agora alimenta furiosamente um sentimento revanchista, sem considerar que a prática terrorista-revolucionária foi também uma violência.


É claro, respondi o e-mail, dizendo:



“Fulano”,


entendi o seu recado. Lamento, mas sinto nele algo equivocado. Por favor leia tudo com espírito desarmado.


Na verdade alguns posicionamentos meus, nada têm a ver com o pensamento político das pessoas, mas sim com as ações, quando são incompatíveis ou diametralmente opostas ao que pregam, ou seja — a democracia, a liberdade, a paz social, a justiça e a felicidade do ser humano.



Os que mais falam em democracia e liberdade, deveriam ser coerentes, não tentando impor pela força o seu modo de pensar e forma de governo. E o que mais frequentemente vemos é os que praticaram ou praticam todo o tipo de violência, não quererem assumir a culpa ou sofrer as consequências dos seus atos — ou seja, culpa e consequências para os outros pode, para eles não.



Ora, se escrevi alguns artigos, que às vezes até podem ter contrariado a sua forma de pensar, foi porque você mesmo me incentivou a isso, dizendo que eu poderia publicar qualquer coisa, para ser apreciada e debatida no campo das ideias. Agora vejo que escrever não é tão simples assim, e talvez nem valha tanto, para quem não faz disso uma profissão.

Não consigo ser como alguns poetas que só falam de flores e amores desfeitos. Que fazem rimas disfarçando as misérias e as maldades do ser humano ou ocultando as fealdades do mundo.


Eu só entendo que a justiça para ser considerada justiça, tem que ser administrada de forma igualitária (não com um peso e duas medidas), pois este é o princípio abrigado pela nossa Constituição Federal. As questões devem ser pesadas igualmente, tanto de um lado como para o outro. Não se trata de respeitar ou deixar de respeitar quem quer que seja. Se você considerou, por acaso, ou de alguma forma tenha entendido que houve desrespeito de minha parte (embora eu não saiba exatamente por que. Teria sido o vídeo contendo o pronunciamento do deputado?) — me perdoe e fique absolutamente à vontade para suprimir dos seus blogs, quaisquer matérias que lhe desagrade, afinal os blogs são seus. Posso escrever em outro lugar, enquanto a lei da mordaça não seja imposta à Imprensa, como desejam alguns, que tudo fique dominado.



Caso você se disponha a ler a minha matéria anexa, irá ver o que considero gente de respeito — a filha do Luiz Carlos Prestes. Não comungo com a ideologia dela ou do pai dela, mas sem conhecê-la, entendo que a ela sim merece respeito por ser coerente com o que prega e por não ser uma oportunista de plantão. Se não for por aí, então entendi tudo errado sobre o que é ter dignidade.


Aliás, este não é o seu caso — pelo que me consta você nunca foi um torturador ou terrorista, portanto, não pode ser igualado a eles. Você não esteve do outro lado. Veja como é a maldade das pessoas, que falaram mal de você, talvez pelo fato de você pensar considerando a ótica humana e a justeza das ações pelas quais a sociedade brasileira deveria se pautar. Tanto isto é verdadeiro que você foi mal interpretado e saiu inocentado das acusações no Exército.


Por conseguinte, deturpar as formas de pensar e as ações calcadas nelas é características das pessoas egoístas, gananciosas, obtusas, perversas, invejosas e de má índole. A história conta que quando Pilatos (Evangelho de João, 19:5) teria dito: Ecce Homo! (Eis o Homem!) para apresentar Jesus à turba, quando também teria afirmado: (João, 19:6) [...]; porque eu nenhum crime acho nele”. Pilatos lavou as mãos recusando-se a julgar com justiça, não obstante o poder que tinha para isso.


É verdade que tenho me colocado contrário à forma como estão sendo conduzidas as questões dos direitos humanos no Brasil, porque está havendo um desvirtuamento das suas premissas de verdadeira justiça. E para as pessoas inteligentes e bem informadas como você, não preciso me aprofundar no mérito. Portanto, espero você saberá distinguir exatamente o que estou falando das mazelas dos furibundos e perigosos.



Eu havia preparado uma matéria, antes de receber os seus e-mails. Não a publiquei porque já não acho conveniente para os seus blogs (já não quero que seja publicada em lugar algum e tampouco divulgada de qualquer forma). Porém, lha envio (em arquivo anexo) para que você a leia muito atentamente, sem pressa e sem paixão, de forma que possa realmente entender a minha forma de pensar, que talvez eu até possa mudar, se alguém for bastante convincente para fazer isso, ou seja, mostrando-me que só devam ser punidos os militares que cometeram os mesmos crimes que os terroristas. Penso que tanto um como outro devam ser punidos — ou então, nenhum. (nota: só que acabei mudando de ideia, pois não é possível deixar de dar respostas para essas coisas sórdidas)



O que se percebe muito bem, salvo raríssimas exceções, que no Brasil, tanto as pessoas da direita como das esquerdas só faltam se engalfinhar, para vencer não pelo que deveriam de fato acreditar ideologicamente, mas pelos benefícios próprios, não por amor à causa pública.



Agora para terminar este e-mail, vou lhe contar um fato ocorrido comigo no início de 1964, na cidade onde eu morava, quando eu ainda não tinha completado 18 anos de idade.



Havia lá um certo fulano que atendia pelo nome de “X” (não vou dizer o nome porque não sei se ainda está vivo, até porque o que se deu foi só entre eu e ele), que se dizia comunista, mas que segundo algumas pessoas que o conheciam, era visto como um elemento que não gostava de trabalhar, porém se enchia de rancor contra quem tinha uma vida próspera.



Nessa época meu pai vendia produtos agropecuários no prédio de uma associação de ruralistas, que lhe havia cedido para morar e para esse efeito. Em troca ele controlava e recebia as mensalidades dos sócios e fazia alguns expedientes, como secretariar as reuniões, enviar correspondências; coisas assim. Eu o ajudava atender na venda de produtos agropecuários, quando um certo dia lá apareceu o tal de “X”, furibundo, que começou a dizer um monte de besteiras, inclusive, sem saber da nossa situação naquela Entidade, perguntou-me se eu não sentia vergonha de trabalhar para agropecuaristas, terminando por falar que o comunismo haveria de vencer, e quando isso acontecesse ele haveria de ver eu e meu pai, pendurados no poste da frente do estabelecimento.



O que você acha que eu senti??? Isso não é violência e desrespeito??? Que culpa alguém tem por precisar trabalhar???



Em qualquer lugar do mundo, as pessoas e em especial os jovens para conseguirem seu primeiro emprego, têm que trabalhar para quem pode pagar pelos seus serviços. Ora, para se trabalhar honesta e honradamente, tem os jovens ignorantes das mazelas políticas-ideológicas, que perguntar ao tomador de serviços qual é a sua coloração ideológica ou a qual partido político pertence? O que eu deveria ter feito, como se costuma dizer popularmente, era ter mandado aquele “cara” catar coquinhos.



Pois bem, eu sei que muitas pessoas foram presas naquela época, sob a acusação de serem comunistas (muitos nem eram nada além de bobos insuflados por pessoas de formação duvidosa e sem escrúpulos. Muitos eram vítimas de inveja e outras maldades). Eu era ainda estudante e fazia um programa estudantil numa Rádio, junto com um colega que era diretor da entidade que congregava os estudantes e que era dona do referido programa de Rádio naquela Cidade. No programa comentávamos sobre algumas ocorrências, mesmo políticas, quando de certa forma atingiam a classe estudantil, porém pedindo providências a quem tinha competência para tal, e nunca fomos molestados pelos militares, tampouco tivermos censura prévia ou posterior em nosso programa radiofônico, porque não fazíamos apologia de nada que não era nosso ou estranho à classe. Tampouco concitávamos a classe estudantil a se meter em coisas que não entendia ainda.



Logo em seguida eu fui para o Exército (pois o serviço militar é obrigatório). Quando eu já era Cabo e trabalhava numa Secção, certa vez eu estava lendo “Capitães da Areia”, de Jorge Amado, quando chegou o Sargento e o Capitão que eram daquela Seção. O Sargento aproximou-se me perguntando: O que você está lendo aí Cabo? Depois pegou o livro e olhou-o dizendo: cuidado com esse livro Cabo! Olha aí Capitão, o que o “Cabo véio” tá lendo!! Os dois riram, pelo fato de eu não haver tentado ocultar o livro. Aí o Sargento comentou, sob o olhar risonho do Capitão: você sabia que esse livro não é bem visto...?? Ao que respondi: sim eu sei, só que eu não preciso ser militar e burro. É justamente por esse fato é que eu estou procurando me informar. Então ele me disse: e isso mesmo, só que você deve evitar sair por aí com ele...!



Isto é para mostrar que gente despreparada, maluca, aproveitadora e perigosa tem em todos os lugares, assim como também tem gente esclarecida e que pensa.



Agora por favor, leia também a minha matéria anexa que não é para ser publicada.



(Obs: Por fim, agora acabei publicando, porque acho muita petulância de alguém que anda ou andou do outro lado (me refiro ao autor do artigo), se julgar no direito de puxar a orelha do outro – ora, vá para os diabos coisa feia!!!)


Abraços – Luiz Carlos Nogueira




Vamos à matéria.




Pimenta no olho do outro é colírio? Afinal, o que significa anistia ampla, geral e irrestrita?







Por Luiz Carlos Nogueira



nogueirablog@gmail.com







Inicialmente deixo bem claro que não sou de “direita”, de “esquerda”, comunista, nazista, ou qualquer outra denominação desse tipo. Também não sou militar da ativa ou da reserva remunerada, apenas prestei serviço militar porque é obrigatório. Não sou filho de militar, não tenho sogro, cunhado (a), genro ou filho militar e também nunca fui terrorista. Sou apenas um ser humano, que não gosta de sofrer injustiças e que por isso não penso que “pimenta no olho do outro é colírio”.



Aliás, Platão em seus diálogos (Livro II, de A República), já comentava sobre a injustiça enfatizando que ninguém é justo voluntariamente, mas por obrigação, não sendo a justiça um bem individual, visto que com raríssimas exceções, as pessoas no seu interesse próprio, tendo a oportunidade de cometer a injustiça, comete-a.



A verdade é que o “ser humano” (para não parecer machista, uso este termo que abrange ambos os sexos) nunca foi anjo que resolveu incursionar em nosso planeta Terra, sem saber se isto aqui é uma extensão do céu ou do inferno.


As ações humanas (salvo exceções extremamente raríssimas), sempre foram guiadas para as satisfações egoístas das suas necessidades, tanto básicas quanto frívolas. Tanto que Thomas Hobbes já dizia isto ("Homo homini lupus", o homem é o lobo do homem). O ser humano combate uns contra os outros ("Bellum omnium contra omnes", é a guerra de todos contra todos) até entender que a única possibilidade de continuarem vivos é a de chegarem a um entendimento mútuo. Assim é que se estabeleceu um pacto de associação, ao que Rosseau chamou de “contrato social”, sob a condição de que cada um abrisse mão de alguns de seus direitos em favor dos outros.



Ocorre que mesmo assim, as pessoas muitas vezes querem se valer da “Lei de Gerson” — que significa levar vantagens sobre as outras.



Sobre as ações desse tipo, alguns escritores já publicaram obras enfocando-as e retratando bem a natureza humana. Como exemplo cito Albert Camus, em sua obra “A Peste” (1947), e José Saramago, em sua obra “Ensaios Sobre a Cegueira” (1995).



Por conseguinte, como o assunto em voga atualmente é a questão dos direitos humanos, anistia, etc.,etc., vamos (eu e o leitor) considerar os crimes perpetrados contra a vida de pessoas, as práticas de lesões corporais e torturas, à luz da legislação vigente:



CÓDIGO PENAL BRASILEIRO




TÍTULO I



DOS CRIMES CONTRA A PESSOA




CAPÍTULO I



DOS CRIMES CONTRA A VIDA



HOMICÍDIO



Art .121 – matar alguém



- é “crime hediondo” quando praticado em atividade típica de grupos de extermínio, mesmo que por uma só pessoa.


CAPÍTULO II


DAS LESÕES CORPORAIS



LESÃO CORPORAL

Art. 129 - Ofender a integridade corporal ou a saúde de outrem:


- ofensa à integridade física – abrange qualquer alteração anatômica prejudicial ao corpo humano - ex.: fraturas, cortes, escoriações, luxações, queimaduras, equimoses, hematomas etc.



- ofensa à saúde – abrange a provocação de perturbações fisiológicas (vômitos, paralisia corporal momentânea, transmissão intencional de doença etc.) ou psicológicas.




CRIMES DE TORTURA - Lei n° 9.455/97 (Lei de Tortura)



- no crime de tortura a vítima é submetida a um sofrimento intenso (aplicação castigos corporais imoderados; chicotadas, aplicação de ferro em brasa etc, cuja intensidade expõe a vítima a uma situação de perigo para sua vida ou saúde ). (também se enquadra neste crime, quem sequestrar e manter a vítima em seu poder com emprego de violência ou grave ameaça, submetendo-a a intenso sofrimento físico ou mental)



Segundo o médico Legista Carlos Delmonte (in Revista Justiça Penal, “A perícia na tortura,”5/ 21), as práticas mais frequêntes de tortura, são:



"1) pancadas, socos e golpes com objetos e sacos de areia, na cabeça, no dorso e genitais; 2) ameaças e humilhação; 3) aplicação de eletricidade em boca, orelhas, dorso, dedos, genitais, ânus e períneo; 4) venda nos olhos; 5) execução simulada; 6) testemunhar torturas; 7) asfixia por submersão ("submarino"); 8) isolamento por mais de 48 horas (confinamento); 9) restrição alimentar por mais de 48 horas; 10) restrição e impedimento de sono; 11) suspensão pelas mãos e pés em grandes dispositivos tipo roda ("bandeira") ou em paus-de-arara; 12) estupro e outras violências sexuais, incluindo mutilação genital; 13) suspensão ("crucificação"); 14) queimaduras com cigarros, óleos e objetos quentes e ácidos e similares; 15) pancadas nas solas dos pés com varas ou similares ("falanga"); 16) contenção com cordas ou similares; 17) golpes simultâneos nas orelhas ("telefone"); 18) posição ou atitude forçada por horas ou dias; 19) arremesso de fezes ou urina; 20) administração forçada de drogas ou fármacos; 21) tração nos cabelos; 22) aplicação subungueal de agulhas; 23) privação de água e oferecimento de água suja, com sal ou sabão; 24) extração forçada de dentes; 25) impedimentos ou embaraços à evacuação de fezes e de urina; 26) impedimentos de cuidados médicos; 27) espancamentos diversos".


Agora cabe uma pergunta: Esses crimes por acaso não são os mesmos crimes que foram praticados por militares ou terroristas da “esquerda” armada?



Não existe diferença e não cabem sofismas para se tirar proveito de situações.



Sempre tive que trabalhar duro como muitos brasileiros, pagando todos os impostos por medo de nos vermos privados dos nossos bens. Pagamos compulsóriamente o INSS para termos uma aposentadoria miserável. Isto me deixa indignado como tantos outros brasileiros, porque temos que sustentar vagabundos, aproveitadores, parasitas sociais, mensaleiros, ladrões de colarinho branco e outros da mesma laia (aliás, nós aposentados é que fomos assim maldosamente adjetivados pelo presidente neoliberal, que também participou de grupos clandestinos de esquerda de fachada — FHC).


Essas “besteiras” não trazem e nem tampouco contribuem para a paz social. Passado é passado. É preciso considerar que a Lei da Anistia no Brasil perdoou tanto terroristas quanto militares. Se for para punir os militar que praticaram torturas e mataram, também terão que ser punidos os terroristas que também, assaltaram, mataram, etc. Do contrário não se pode falar em Justiça mas sim em vingança. O princípio da Justiça deve ser aplicado a todos indistintamente (sejam militares torturadores ou terroristas do mesmo naipe) — ou se perdoa ou se pune igualmente todos que praticaram crimes.

Sabe-se que foram mais de 400 desaparecidos políticos e que também muitos militares que apoiavam o governo, foram violentamente mortos por militantes comunistas armados.

Como é que ficam as famílias das pessoas (não se exclui militares, alguns deles, inclusive, que nunca praticaram torturas) que foram mortas por militantes da “esquerda” armada? Devem propor ações de indenizações contra esses militantes? Ou devem vingá-las?

Afinal, o que realmente significa anistia ampla, geral e irrestrita?

Alguns dos militantes “comunistas” ou da esquerda armada (duvido de que muitos tinham verdadeiramente essa ideologia), estiveram envolvidos em escândalos como o mensalão e outras safadezas. Muitos deles que estiveram envolvidos ou só na luta “ideológica” e até armada, ou em ambas, (na época não estavam rezando e deviam ter consciência dos riscos que corriam), hoje se já não receberam indenizações milionárias, estão buscando desavergonhadamente recebê-las.

Quando ponho dúvidas às convicções políticas de determinadas pessoas, não é sem razão. Ao contrário de muitos “mequetrefes”, é preciso por em destaque a envergadura moral de uma mulher. Trata-se de Anita Leocádia Prestes, filha de Luiz Carlos Prestes e Olga Benário Prestes, que escreveu a carta adiante reproduzida (não estou fazendo apologia comunista, nem defendendo o capitalismo, estou citando fatos e fazendo uma constatação):

Tendo em vista matéria publicada em “O Globo” de hoje (p.4), intitulada “Comissão aprovará novas indenizações” e na qualidade de filha de Luiz Carlos Prestes e Olga Benario Prestes, devo esclarecer o seguinte:

Luiz Carlos Prestes sempre se opôs à sua reintegração no Exército brasileiro, tendo duas vezes se demitido e uma vez sido expulso do mesmo. Também nunca aceitou receber qualquer indenização governamental; assim, recusou pensão que lhe fora concedida pelo então prefeito do Rio de Janeiro, Sr. Saturnino Braga.
A reintegração do meu pai ao Exército no posto de coronel e a concessão de pensão à família constitui, portanto, um desrespeito à sua vontade e à sua memória. Por essa razão, recusei a parte de sua pensão que me caberia.

Da mesma forma, não considerei justo receber a indenização de cem mil reais que me foi concedida pela Comissão de Anistia, quantia que doei publicamente ao Instituto Nacional do Câncer.


Considerando o direito, que a legislação brasileira me confere, de defesa da memória do meu pai, espero que esta carta seja publicada com o mesmo destaque da matéria referida.

Atenciosamente,

Anita Leocádia Prestes


A carta da filha de Luiz Carlos Prestes, Anita Leocádia Prestes, acima transcrita e publicada na Tribuna da Imprensa, foi comentada por Hélio Fernandes . Tanto o comentário do Hélio como dos seus leitores, seguem transcritos para que os leitores façam uma reflexão:


Comentário de Helio Fernandes

A carta da filha de Prestes foi publicada, o mínimo que poderiam fazer. Luiz Carlos Prestes pode sofrer críticas, mas nada em matéria pessoal. Quando liderou a Histórica “Coluna Prestes” de 1924 a 1926, já havia pedido demissão do Exército. Portanto, quando o “Exército publicou a sua expulsão, estava EXPULSANDO alguém que não poderia ser EXPULSO, já revertera, voluntariamente, à condição de civil”.

Era vingança pura, ato torpe, que comprometeu o Exército. É lógico que no arquivo do Exército já constava a demissão a pedido do capitão. Que aliás foi o mais jovem capitão de toda a História do Brasil. Pediu DEMISSÃO e foi tratar da vida, sem PEDIR ou ACEITAR qualquer recompensa. Fato que a filha repetiu SEM ESTARDALHAÇO, só agora passa a ser do conhecimento público.


Prestes errou em todas as posições políticas ou em atos que dependiam exclusivamente de sua vontade, mas errou CONTRA ELE MESMO, não se beneficiou de coisa alguma. Ele sempre disse: “Os interesses pessoais não podem prevalecer acima de qualquer coisa, e prejudicar a coletividade” E cumpriu na prática o que pregava na teoria.

Em 1930, os Tenentes Siqueira Campos e João Alberto, foram a Montevidéu (onde Prestes morava, depois de ficar algum tempo exilado na Bolívia), convidá-lo para chefiar a “Revolução de 30”, que já estava praticamente vitoriosa.


Prestes perguntou aos companheiros da brava Coluna: “A Revolução é comunista?”. Siqueira e João Alberto, surpreendidíssimos, pois a “revolução” era burguesa, aristocrática e reacionária. Mas Prestes poderia ter COMANDADO a Revolução, assumido o Poder, e nessas condições, mudado os rumos do país. Não admitia, considerava isso, uma traição. Recusou, lançou o Manifesto de fundação do partido, e em 1932 viajava para a União Soviética.

Voltou em 1935 para organizar e desfechar a Revolução Comunista que não tinha a menor chance de vitória. Sem recursos, desorganizada, praticamente existindo apenas no interior da Paraíba e do Rio Grande do Norte. E no Rio, apenas no 3º RI. (Onde hoje existe um monumento, na Praia Vermelha).


Preso logo depois, em 1936, foi levado para a Polícia Central, onde ficou sob as ordens do antigo companheiro de “coluna”, o torturador Filinto Muller. Foi o brasileiro mais torturado de todos os tempos, ficando num vão de escada, até 1940. (Só saía eventualmente para o julgamento no Tribunal de Segurança Nacional).

Em 1940, como o Brasil fazia parte, na Segunda Guerra, das forças “Aliadas”, o governo soviético mandou pedir ao ditador Getúlio Vargas, a libertação dele. Vargas não atendeu, mas mandou transferir Prestes para a Penitenciária Frei Caneca, onde ficou até 1945.


Nesse ano, a ditadura ameaçadíssima, Vargas soltou Prestes. E este assombrosamente, passou a defender a CONSTITUINTE COM VARGAS. Um disparate completo, Prestes ERRAVA TOTALMENTE, mas por convicção.

Logo depois de solto, outra violenta contradição de Prestes, mas como sempre coerente com suas ideias. Foi fazer um comício no Estádio do Vasco, (ainda não existia o Maracanã), uma multidão foi ouvi-lo e saiu de lá chorando. Prestes criticou o próprio povo, afirmou: “Vocês estão se aburguesando, só pensam num rádio novo e mais potente ou em geladeira”. (Textual)

* * *

PS – Termino por aqui, tudo o que escrevi é apenas louvação à posição de Anita Leocádia. Apesar dele estar sempre longe, tive sempre boas relações com Prestes. Na Constituinte de 1945, (meu primeiro grande trabalho para a revista O Cruzeiro) tive ótimo contato com Prestes e os 15 deputados eleitos pelo Partidão. Escrevi: “Não entendo como é que Prestes e Plínio Salgado ficam conversando amistosamente, e depois na tribuna se agridem violentamente”.



PS2 – No dia 25 de março de 1981, (véspera do massacre das instalações da Tribuna, que ocorreu no dia 26), tive debate com Prestes de quase 3 horas no CACO, Faculdade da Moncorvo Filho (deve estar tudo, é claro, no arquivo da Faculdade). Lotadíssima. Como eram jovens e estudantes estavam visivelmente a favor de Prestes, mas me respeitavam, saímos juntos e abraçados.



PS3 – Meu último contato com Prestes se deu em 1987, em Cuba. Fidel organizou um Seminário sobre DÍVIDA EXTERNA, um dos meus assuntos favoritos. Estavam presentes 61 brasileiros, muitos deputados, senadores, jornalistas. Só dois discursaram: Prestes, lendo, este repórter, como sempre, de improviso. Lula também presente, já candidato a presidente em 1989. Não falou, não conhecia nada do assunto.



Helio Fernandes Artigo do dia 9 comentários





9 comentários para Louvação à carta de Anita Leocádia, e recordações de seu pai, Luiz Carlos Prestes. Este, desde 1924 até morrer, no centro dos acontecimentos. Não sacrificou, por 1 minuto, suas convicções. Transcrições ipisis litteris:



janeiro 30th, 2010 em 9:19



Helio, se tal predisposição de Prestes era conhecida e não foi considerada, falhou nessa entendida indevida indenização a Comissão de Anistia. Tal comportamento familiar vem a autenticar o que se traduz como sendo uma voluntária (de corpo e alma) e jamais “recompensada” crença numa causa em que se acredite. O valor reside na causa em sí, e não nos lucros e louros que dela possam sobrevir.



janeiro 30th, 2010 em 10:19



Parabéns aqui a duas pessoas: Anita Leocádia, filha do Capitão engenheiro Luís Carlos Prestes, que escreveu uma carta mostrando mais uma vez sua posição e a do seu pai. E também ao Hélio Fernandes, que dessa tribuna escrita mostra à nação brasileira, as convicções de um homem que passou mais de 60 anos perseguido em seu próprio País.


  • ;Antonio Santos Aquino


janeiro 30th, 2010 em 10:57



Hélio, Anita como filha, naturalmente sabia o que desejava seu pai, por convicção ideológica. A fatídica viajem para falar com Prestes, de João Alberto e Siqueira Campos, que morreu no desastre da queda do avião em que voltavam da Argentina, não foi o único convite recebido por Prestes. Oswaldo Aranha também esteve na Argentina com Prestes, convidando-o para chefiar a Revolução, que Prestes chamava de “burguêsa”. Tem outra versão que Prestes teria se encontrado com Oswaldo Aranha e Getúlio, na fronteira, recusando da mesma maneira o convite. É de assinalar também, a diferênça entre Anita e os “pretensos heróis que combateram a ditadura”, passeando tranquilamente pelas ruas e frequentando até altas horas os bares da cidade, sem serem incomodados pela polícia. Receberam milhões. Enquanto outros, barbaramente prejudicados em suas vidas, nada receberam. A maioria já morreu; os outros andam por aí “estropiados”.


  • Ivan da Cunha Vieira


janeiro 30th, 2010 em 12:56



HÉLIO. Prestes e sua filha Leocádia recusaram as recompensas poque não eram do PT. Se o fossem, pediria mais.


JOSÉ CARLOS WERNECK



janeiro 30th, 2010 em 13:43



É o que eu vivo dizendo não se fazem nem COMUNISTAS,nem CAPITALISTAS como os de antigamente.Anita Leocádia tem honra e personalidade.Muito digna sua atitude.Parabéns.Acho que qualquer que seja a ideologia que se escolha devemos permanecer fiéis a ela.


  • luiz antonio


janeiro 30th, 2010 em 16:18



Prestes errava por convicção férrea (acredito por escrito por voce).A convicção herdou sua filha, pois demontrou com atitudes dignas.Não aceitaram a bolsa ditadura.Aquele era o tempo do “comunismo romântico” , do igualitarismo.Todos eram iguais entre si. Vimos que não era nada disso.Hoje, esses comunistas são mais iguais que os outros, querem as dachas, os produtos importados, as benesses, os DAS nivel 7,8,10,20…50 e todos os privilégios possíveis.Querem censura.Pena que essa turma de petistas e neo petistas sejam apenas gananciosos e arrogantes.E donos de uma burrice sem limites…




janeiro 30th, 2010 em 20:43



Jornalista,
Que maravilha sua análise sobre Prestes, uma grande brasileiro, como Hélio Fernandes.
Lena Tavares.


  • Fitzcarraldo Silva


fevereiro 1st, 2010 em 12:04



Ela teve berço. Os verdadeiros heróis não se rendem a volúpia do dinheiro
fácil, não aceitam a posição de vítimas que vitimam terceiros. Pena que estes
bons exemplos nesta terra são iguais a se achar um grande diamante bruto
no centro de uma metrópole. O que dizer de bons exemplos de quem capitaliza
uma posição de vítima em uma terra em que as indenizações do Estado ao cidadão
oprimido não passam de pequenas migalhas e a custa de um esforço e um tempo
desumanos, nada comparado a rapidez e os montantes auferidos aos FELIZARDOS
EX-PERSEGUIDOS PELA DITADURA, HÁ QUATRO DÉCADAS ATRÁS


  • sergio guimarães de freitas


fevereiro 3rd, 2010 em 9:43



s(as)
caro(as)sr(as).



mesmo, em ãnimo rspeitoso, consigno uma larga divergência Dona Anita. ora bolas, um direito pecuniário balizado pela lei se ñ resgatado, irá para o bolso de um Sarney da vida ou de um arruda qualquer.
o capitão prestes é Coronel EB R/1 dA arma de engenharia desde a década de 90, anistiado por uma portaria prolatada pelo general carlos tinoco desde 1942, reformado capitão e promovido a Coronel “Full”



obrigado



Ora, eu era muito jovem em 1964, mas me lembro muito bem (aliás isto é consabido pelos que viveram essa época) que a imensa maioria que compõe nossa sociedade, na qual se incluíam alguns dos principais segmentos religiosos, muitos industriais, banqueiros, empresários, latifundiários, gente da “direita” egoísta e sem pudor, etc., que hoje está fazendo hipocritamente, por interesses pessoais mais variados, o jogo da “esquerda”, quando se sentiu ameaçada pela possível tomada do poder pelos comunistas (tinham medo de perder o poder e as regalias – quem acredita que era por puro patriotismo?), fez (ou pelo menos apoiou os que fizeram) apelos dramáticos aos militares para não deixar que isso acontecesse.


Pois é, esse pessoal fez igual como na letra da música do Chico Buarque (desculpem-me, porquanto a mesma contém uma generosa pitada pornográfica, não obstante útil para efeito de ilustração) “Geni e o Zepelin”. È claro que não estou comparando as nossas valorosas Forças Armadas com a Geni. Isto é apenas um recurso alegórico para ilustrar como age o povo que, em face de algumas situações — ora aplaude, ora joga pedras. Na hora do aperto pede socorro e depois de safar-se, apedrejam – Vejam a letra da música:

De tudo que é nego torto

Do mangue e do cais do porto
Ela já foi namorada
O seu corpo é dos errantes
Dos cegos, dos retirantes
É de quem não tem mais nada
Dá-se assim desde menina
Na garagem, na cantina
Atrás do tanque, no mato
É a rainha dos detentos
Das loucas, dos lazarentos
Dos moleques do internato
E também vai amiúde
Co'os velhinhos sem saúde
E as viúvas sem porvir
Ela é um poço de bondade
E é por isso que a cidade
Vive sempre a repetir
Joga pedra na Geni
Joga pedra na Geni
Ela é feita pra apanhar
Ela é boa de cuspir
Ela dá pra qualquer um
Maldita Geni

Um dia surgiu, brilhante
Entre as nuvens, flutuante
Um enorme zepelim
Pairou sobre os edifícios
Abriu dois mil orifícios
Com dois mil canhões assim
A cidade apavorada
Se quedou paralisada
Pronta pra virar geléia
Mas do zepelim gigante
Desceu o seu comandante
Dizendo - Mudei de ideia
- Quando vi nesta cidade
- Tanto horror e iniquidade
- Resolvi tudo explodir
- Mas posso evitar o drama
- Se aquela famosa dama
- Esta noite me servir
Essa dama era Geni
Mas não pode ser Geni
Ela é feita pra apanhar
Ela é boa de cuspir
Ela dá pra qualquer um
Maldita Geni

Mas de fato, logo ela
Tão coitada e tão singela
Cativara o forasteiro
O guerreiro tão vistoso
Tão temido e poderoso
Era dela, prisioneiro
Acontece que a donzela
- e isso era segredo dela
Também tinha seus caprichos
E a deitar com homem tão nobre
Tão cheirando a brilho e a cobre
Preferia amar com os bichos
Ao ouvir tal heresia
A cidade em romaria
Foi beijar a sua mão
O prefeito de joelhos
O bispo de olhos vermelhos
E o banqueiro com um milhão
Vai com ele, vai Geni
Vai com ele, vai Geni
Você pode nos salvar
Você vai nos redimir
Você dá pra qualquer um
Bendita Geni

Foram tantos os pedidos
Tão sinceros tão sentidos
Que ela dominou seu asco
Nessa noite lancinante
Entregou-se a tal amante
Como quem dá-se ao carrasco
Ele fez tanta sujeira
Lambuzou-se a noite inteira
Até ficar saciado
E nem bem amanhecia
Partiu numa nuvem fria
Com seu zepelim prateado

Num suspiro aliviado
Ela se virou de lado
E tentou até sorrir
Mas logo raiou o dia
E a cidade em cantoria
Não deixou ela dormir
Joga pedra na Geni
Joga bosta na Geni
Ela é feita pra apanhar
Ela é boa de cuspir
Ela dá pra qualquer um
Maldita Geni



Infelizmente grande parte da sociedade, ignorante ou que gosta do que não presta, vem elegendo gente furiosa: arrogante e podre da “direita neoliberal”, ou maluca e corrupta da “esquerda”, sem depois ter a disposição e a coragem de cobrar retidão no tratamento com a coisa pública e respeito às leis.


Para esses tipos de políticos não existe coloração partidária, não há ideologia e princípios, tudo se mistura e desaparece diante dos interesses mais mesquinhos. E o que se constata é que esses tipos de políticos têm mais facilidade para serem aceitos por Partidos que desdenham até um mínimo compromisso com o País.


Assim fica impossível saber qual lado é o melhor.



Ora, temos o direito de errar na escolha, porque ninguém penetra na alma do político bandido. Só que temos a obrigação de denunciá-los para tirá-los de onde estiverem e quando estiverem envolvidos em falcatruas ou práticas ilícitas e criminosas. Isto é exercício de cidadania que deve se conduzir pelas vias legais e democráticas. Fora disso tudo será como pesadelos e sonhos que se esboroam.



Links dos assuntos relacionados:



http://www.unificado.com.br/calendario/11/anistia.htm



http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2010/01/30/pgr+da+parecer+contra+revisao+da+lei+a+anistia++9381137.html



http://www.pgr.mpf.gov.br/noticias/noticias-do-site/constitucional/pgr-e-contra-revisao-da-lei-da-anistia



http://www.jusbrasil.com.br/noticias/2072900/lei-da-anistia-pgr-emite-parecer-contra-revisao




Carta da filha de Luiz Carlos Preste e Olga Benário Prestes



http://www.tribunadaimprensa.com.br/?p=6412&cpage=1




Anistia ampla, geral e irrestrita.




http://www.jusbrasil.com.br/legislacao/110286/lei-de-anistia-lei-6683-79


http://www.conjur.com.br/2008-nov-16/leia_parecer_oab_1979_favor_anistia_ampla



Parecer da OAB em 1979 sobre a anistia ampla, geral e irrestrita



http://s.conjur.com.br/dl/parecer_oab_anistia_79.pdf




Parecer o Procurador-Geral da República (Roberto Monteiro Gurgel Santos), sobre a lei de anistia, na íntegra:



http://noticias.pgr.mpf.gov.br/noticias-do-site/pdfs/adpf_153_parecer.pdf